Qual seu tipo de insônia?

Os insones são todos iguais. Pensando assim, será difícil chegar a uma solução para cada um. Novo estudo classifica as insônias em cinco tipos, cada um com suas características. Afinal,…

Tempo de leitura: 4 min.

Os insones são todos iguais. Pensando assim, será difícil chegar a uma solução para cada um. Novo estudo classifica as insônias em cinco tipos, cada um com suas características. Afinal, qual é a sua?

Leia mais:

A melhor posição do sono – Como dormimos influencia a saúde
É hora de acordar – Aulas mais tarde melhoram desempenho de alunos

Consideramos os distúrbios do sono como uma coisa só.

E, para eles, temos as mesmas soluções e paliativos de sempre.

Agora, a ciência esclarece porque muitos destes tratamentos não funcionam.

Exatamente porque, na verdade, há cinco variações de insônia.

E todas têm diferenças entre si.

O que significa que abordagens individualizadas podem ter mais chances na solução do problema.

É o que aponta um novo estudo do Instituto de Neurociência da Holanda.

Nele, foram analisadas informações de mais de 4 mil pessoas.

Em um questionário, elas descreveram seus hábitos de sono, traços de personalidade e histórias de vida.

A partir daí, foram definidos cinco tipos deferentes de insônia.

Tipo 1

Altamente angustiado
Pessoas deste espectro têm alto estresse (altos níveis de emoções negativas, como ansiedade e preocupação).
E baixos níveis de felicidade.

Tipo 2

Moderadamente angustiado, mas sensível à recompensa
Pessoas deste espectro têm níveis moderados de sofrimento.
Mas níveis de felicidade e emoções prazerosas relativamente normais.

Tipo 3

Moderadamente angustiado e insensível a recompensas
Pessoas deste espectro têm níveis moderados de sofrimento.
E baixos níveis de felicidade e de experiências prazerosas.

Tipo 4

Pouco angustiado com alta reatividade
Pessoas deste espectro têm baixos níveis de sofrimento.
Mas tendem a conviver com insônia de longa duração.

Tipo 5

Ligeiramente angustiado com baixa reatividade
Pessoas com esse tipo de insônia vivenciam baixos níveis de estresse.

Cinco anos depois, os voluntários foram entrevistados novamente.

A maior parte deles manteve a mesma qualidade de sono, seja sob medicação ou fazendo terapia cognitivo-comportamental.

O que indica a precisão da tipologia determinada.

Com a descoberta, espera-se que sejam desenvolvidos tratamentos individualizados.

O estudo foi publicado na revista científica The Lancet Psychiatry.

Certamente, a alimentação tem influência no assunto, e pode ajudar.

Veja os alimentos que ajudam configuram um cardápio do sono – clique aqui.

Gostou desse artigo? compartilhe
Você em primeiro lugar

Junte-se a mais de 100,000 pessoas que recebem conteúdos semanais por e-mail.

Lucilia Diniz desmistifica o que significa viver bem a vida, por dentro e por fora.

Digite um endereço de e-mail válido.
COMPARTILHE ESTE POST
Instagram
YouTube
LinkedIn
Confira também